Inovação Tecnológica

Como o 5G será a base da futura internet das coisas

Deb Miller Landau iQ Managing Editor
Ponte

Especialistas do setor explicam como as funções de rede do 5G possibilitarão um serviço mais rápido, menos latência e mais aparelhos conectados no mundo inteiro.

Suponhamos que você decida tirar miniférias e alugar uma casa de campo para trabalhar em paz e descansar um pouco. Hoje em dia, se pensarmos em como dependemos de uma conexão sem fio, essa proposta fica um tanto quanto questionável.

Além do GPS do carro alugado, você ainda tem o seu laptop e smartphone, ou talvez até um tablet ou smartwatch. Mas e se não houver uma conexão a cabo? E se não houver uma conexão sem fio? E se o sinal do seu celular for ruim?

Não conte com usar o Google para procurar os pontos turísticos da região, receber um e-mail ou assistir a um filme por streaming. Talvez funcione… mas talvez não.

De acordo com Aicha Evans, vice-presidente corporativa da Intel e gerente geral do grupo de comunicação e aparelhos, ficará mais fácil conseguir e manter a sua conexão usando a tecnologia tecnologia 5G. Embora o usuário ainda vá precisar de um provedor confiável e uma rede robusta, os aparelhos aprenderão a realizar tarefas automáticas de sincronização e pareamento, por exemplo.

“Costumo dizer que o 5G é basicamente uma fusão de todas as tecnologias sem fio”, conta Evans. “Essa convergência de redes existentes – 2.5G, 3G, 4G, LTE ou wifi – transformarão a forma como nos comunicamos e interagimos com o mundo”.

Aicha Evans

No momento, a maioria dos meios de comunicação usa um único modo de transmissão: quando procuramos algo, a resposta vem até nós. Quando ligamos para alguém, a comunicação acontece de um lado para o outro.

Com a tecnologia 5G, a comunicação ficará interativa e adaptável a cada contexto.

5G

Evans acredita que cerca de cinquenta bilhões de “coisas” estarão conectadas até 2020, quando o 5G será ativado no mundo todo. Imaginem carros autônomos que se comunicam com os semáforos, sistemas de sensores das cidades inteligentes, eletrodomésticos tecnológicos, sistemas de automação industrial, inovações tecnológicas na área da saúde, drones particulares, robôs, dentre tantos outros produtos.

Todos esses elementos precisarão estabelecer uma conexão sem fio com a internet.

“O 5G deixará a internet das coisas muito mais eficiente e eficaz se pensarmos em um espectro de eficiência”, afirma Evans. “Cada aparelho e rede criados com base na internet das coisas utilizará apenas o que for necessário e quando aquilo for necessário, sempre na medida exata, em vez de simplesmente consumir o que estiver disponível”.

Hoje em dia, Evans estima que 30% a 40% da população mundial esteja conectada de alguma forma.

“Nos próximos dez a vinte anos, torcemos para ver 100% da população mundial conectada”, diz. Isso equivale a mais oito ou nove bilhões de pessoas que precisarão desses recursos de rede.

“É assim que estudaremos, é assim que teremos acesso às informações”, diz.

As redes que temos no momento não sumirão, mas farão uma transformação gradual para o 5G, atualizando-se junto com os aparelhos e tecnologias. Evans estima que as transmissões que levam segundos, minutos ou até dias de carregamento ou envio serão realizadas em milissegundos quando a tecnologia 5G ficar disponível.

Aicha Evans e um Tesla, que ela chama de “aparelho conectado sobre rodas”.

Aicha Evans keynote

Armazenar e gerenciar todos esses dados será um desafio para o setor – desafio esse que a Intel está encarando com uma abordagem integral, usando todo o seu conhecimento sobre computação, rede e comunicação sem fio para toda a rede.

“Acreditamos que essa será a base da próxima onda da economia moderna, porque haverá uma tonelada de dados à nossa volta”, diz Evans.

A Intel mantém parcerias com fabricantes de equipamentos e aparelhos, operadores de rede, prestadores de serviços, instituições acadêmicas e outros integrantes da indústria para resolver os principais desafios técnicos que surgem em todos os sistemas.

carro inteligente

Evans é conhecida pela frase “Tudo o que computa, conecta”. Conforme todos os aspectos da nossa vida ficam cada vez mais conectados – de carros e medidores de condicionamento físico a bancos e fábricas com robótica –, o nosso paradigma cultural passará por uma transformação.

“O casa na qual os meus filhos, netos e bisnetos morarão será completamente diferente”, diz Evans. Embora duvide que o acesso à internet chegue a ser gratuito um dia, Evans diz que haverá um momento em que ele será 100% acessível.

“Acredito que as ferramentas possibilitadas pelo 5G revolucionarão a nossa vida”.

Nota editorial: Saiba mais sobre a inovação da tecnologia 5G no evento Mobile World Congress.

Compartilhe esse artigo

Tópicos relacionados

Inovação Tecnológica

Leia também