Experiências Incríveis

Shubham Banerjee constrói uma impressora Braille aprimorada

Shubham Banerjee

Chocado ao saber que uma impressora braille pode custar US$ 2.000, impedindo que muitas crianças e adultos cegos leiam braille, um menino de 12 anos utilizou peças de Lego para criar uma opção econômica.

Quando a mãe de Shubham Banerjee vetou sua primeira ideia de projeto para a feira de ciências — um experimento que envolvia luzes coloridas e o crescimento das plantas — dizendo que ele era capaz de fazer melhor, o menino, então com 12 anos, foi forçado a ser criativo. Na mesma ocasião, Banerjee encontrou um folheto solicitando doações para os cegos. Intrigado, perguntou a seus país como as pessoas cegas aprendiam a ler. Seus ocupados pais lhe indicaram o Google. "Então, pesquisei no Google: 'como as pessoas cegas leem' e descobri braille, impressoras braille, quanto custam", disse Banerjee, chocado com o fato de uma impressora tradicional custar US$ 2.000. "Estive na Índia algumas vezes e vi pessoas cegas e muita pobreza por toda parte. É muito difícil para elas." Screen Shot 2015-06-07 at 14.40.31 Banerjee criou empatia com a questão quando ele e um amigo fecharam os olhos para tentar desbravar o mundo como se fossem cegos. "Não conseguimos andar mais do que cinco segundos sem pensar que havia um poste à nossa frente", disse. Ele sabia que deveria haver uma maneira melhor de ajudar os cegos a enxergar. "Eu achei que eles não deveriam pagar mais de US$ 1.000 para ter aquilo que necessitam para se alfabetizar." Então ele começou a trabalhar para construir uma impressora braille melhor e mais econômica usando um material improvável: Lego Mindstorms EV3. makers Após sete tentativas frustradas para modificar os carros e os mecanismos do Lego para criar os furos necessários para o braille, ele conseguiu um grande avanço. Nasceu o Braigo. Empolgado mas cheio de insegurança, ligou para sua mãe. Eram duas horas da manhã. "Ela ficou furiosa", disse. "Eu mostrei a impressora funcionando e ela ficou muito feliz. Depois ela voltou para a cama." Apesar de dedicar todas as suas férias de verão para construir sua Braigo de US$ 350, Banerjee sabia que a máquina precisava de um "cérebro melhor." Então, construiu uma segunda versão usando a tecnologia Intel Edison e o código Python. makers "O Edison não custou muito caro e tinha wireless integrado, o que era superimportante," explicou Banerjee. "Eu precisava que a impressora se comunicasse com facilidade diretamente com o computador." Banerjee também gostou do tamanho, do desempenho e dos recursos de Bluetooth do Edison. Quando terminou de juntar as peças, entretanto, a verdadeira recompensa veio de observar outros meninos usarem a impressora. "Henry [Wedler] testou meus dois produtos," comentou Benerjee. "Eu imprimi a frase: 'Olá, meu nome é Shubham', e ele conseguiu ler perfeitamente. Aquilo era incrível e ver que havia realmente funcionado… foi a melhor das sensações." Isso também o inspirou a continuar a trabalhar e inovar. "Quando vi os pontos do braille que saiam da impressora, fundei a Braigo Labs, uma empresa dedicada ao desenvolvimento de 'tecnologias otimizadas com humanidade' que oferecem soluções econômicas para os problemas mais críticos da vida." Nota editorial: Nesta série da Experience Amazing, a iQ explora como a tecnologia dos componentes internos possibilita experiências incríveis mundo afora. Vamos analisar como esses recursos computacionais são a base de novas experiências e descobertas nos mundos da ciência, manufatura, moda, esportes e entretenimento. Para saber mais sobre a tecnologia existente por trás dessas histórias, acesse o site Experience Amazing.   O post Shubham Banerjee Constrói uma Impressora Braille Aprimorada apareceu primeiro no iQ by Intel.

Compartilhe esse artigo

Tópicos relacionados

Makers

Leia também